APOSENTADORIA | Campinas registra quase 23 mil pedidos de benefícios negados pelo INSS no primeiro semestre

Nos Estados

G1 - Município responde por 5,16% dos pedidos em todo o estado de São Paulo; INSS explica principais causas de rejeição.

Campinas (SP) registrou 22.928 pedidos de benefícios negados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no primeiro semestre. O número corresponde a 5,16% de todas as requisições rejeitadas em São Paulo no período, que somaram 444.462.

A quantidade de pedidos negados em Campinas, no entanto, caiu 9,3% em comparação com o primeiro semestre de 2017, quando foram recusadas 25.282 solicitações.

De acordo com o INSS, ter um pedido negado geralmente acontece porque:

  • falta comprovação do tempo de contribuição necessário;
  • o autor do pedido ficou muito tempo sem contribuir e perdeu o direto aos benefícios da previdência;
  • autor ficou sem contribuir e perdeu o direito ao auxílio-doença;
  • a avaliação da perícia médica diz que a pessoa não está incapacitada para o trabalho.

O instituto informou ainda que caso um contribuinte tenha um pedido negado, ele pode refazer a requisição 30 dias depois do indeferimento e que, em Campinas, todo o processo de análise leva em média 53 dias.

Além disso, para casos de aposentadoria, é possível fazer uma simulação com os dados antes de entrar com o pedido. O serviço está disponível do site oficial do INSS.

Pente-fino

Além dos pedidos negados, o Governo Federal está realizando uma revisão nos auxílios-doença e nas aposentadorias por invalidez desde 2016. Quando a revisão foi anunciada, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, informou que o objetivo era "colocar uma tampa sobre os ralos que estão abertos", de forma a eliminar pagamentos a pessoas que não têm direito a receber benefício.

Agora o Governo espera concluir o pente-fino até o final do ano, com 1 milhão de benefícios cortados, o que representa quase 20% do total, segundo o ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame.