POSIÇÃO | Previdência e os sofismas governamentais

Opinião

Carlos Pinto - O governo do senhor Temer insiste na aprovação desse monstrengo a que deram o nome de reforma da Previdência. E o interessante neste episódio, é verificar quantos sofistas fazem parte dessa camarilha governamental. Tergiversam sobre a verdade na tentativa de transformar uma mentira na verdade que lhes interessa. Já listei aqui, em comentários anteriores, o quanto a Previdência foi sangrada pelo governo federal, transformada que foi no banco patrocinador de várias obras monumentais.

Listei a construção de Brasília, a ponte Rio-Niterói, o estádio do Maracanã, a construção da Itaipu Binacional, a Transamazônica, entre outras. E a pergunta que sempre faço é se o governo federal já devolveu aos cofres da Previdência o montante usurpado para realizar tais obras. Não discuto a necessidade delas. O que discuto é o carimbo de mau pagador que o governo brasileiro ostenta através dos anos e de quem esteja de plantão no Palácio da Alvorada.

E dentro desse mimimi da falta de recursos, o senhor Temer anistia dívidas com um certo banco no valor de R$ 25 bilhões. Anistia dívidas até de jogadores de futebol, enquanto manobra para meter um pouco mais a mão em nossos bolsos. Os 15 maiores devedores da Previdência, juntos, devem mais de R$ 5 bilhões, e não são cobrados pelo governo. E entre esses devedores, cuja lista se inicia com a JBS, vamos encontrar bancos governamentais, como é o caso da Caixa Econômica Federal, onde o senhor Geddel Vieira se locupletou, e o Banco do Brasil, onde, segundo o noticiário, foi um grande prato do senhor Aldemir Bendini. E temos nessa listagem o Bradesco, a Ford, a Oi Telefonia, a Vale do Rio Doce, a Pirelli, o Banco Rural, a Volkswagen, a Construtora Mendes Junior, entre outros. Só a JBS deve mais de R$ 1,8 bilhão para a Previdência, mas recebeu montanhas de dinheiro do BNDES. Mas é mais fácil para esse governo reformar a Previdência de uma forma que vem em prejuízo dos brasileiros do que cobrar os devedores, confiscar os bens para ressarcir as dívidas, enquanto o nosso povo, como um bando de cordeiros, vai para o abate sem se defender.

É certo que tem aposentadorias que escapam a qualquer entendimento ou compreensão. Um dos exemplos mais claros é o caso da mãe do senhor Geddel Vieira. O outro, a viúva do senhor Lula da Silva, além dos privilégios ostentados pelos políticos de carreira, que se aposentam depois de oito anos com seus proventos integrais. Não esquecer ministros e ex-presidentes, cujas aposentadorias astronômicas saltam aos olhos de qualquer cristão.

Infelizmente, entendo que do jeito que a coisa vai, não escaparemos de uma nova intervenção militar, desejada por muitos, mas que nunca saberemos de que forma irá se conduzir. Por outro lado, é intolerável a conduta de membros do Judiciário, principalmente do STF, que demonstram suas alianças com empresários e políticos envolvidos em atos de corrupção. O Brasil caminha para o abismo, enquanto eles estão se lixando para o povo brasileiro. E la nave vá.